• WhatsApp
Imprimir
PDF

Mudança de zoneamento será decidida em audiência

Para decidir sobre a alteração de zoneamento que permitirá a implantação do InovaPark, o parque tecnológico a Univille, Pontifícia Universidade Católica (PUC), Universidade Federal Federal de Santa Catarina (Ufsc) e Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc), a Comissão de Urbanismo da Câmara de Vereadores de Joinville decidiu que será realizada uma audiência pública dia 3 de maio, às 19h30, no plenário da câmara. O estacionamento rotativo na Avenida Hermann August Lepper, no trecho compreendido entre as ruas Dona Francisca e Itaiópolis, no centro, voltou a ser assunto na tarde de hoje, desta vez na Comissão de Urbanismo e contou com a presença do presidente da Companhia de Desenvolvimento e Urbanismo de Joinville, Francisco de Assis Nunes.

Apesar do assunto já ter sido definido na terça-feira quando Assis já havia batido o martelo que não sairia mais o estacionamento naquele local, mas rendeu algumas discussões. Presente na comissão o vereador Osmari Fritz pediu a Assis para que, daqui para frente à decisão de novos locais para estacionamento sejam com embasamento técnico rigoroso que justifique sua necessidade. Francisco Assis afirmou que, não existe nenhum projeto para novos locais, a não ser em dois lugares na cidade mas são de governo passados, “sempre que for necessário nós vamos conversar com os moradores e empreendedores, não faremos nada sem dialogar e entrarmos em concordância”, afirmou. A comissão aprovou ainda o projeto de lei, do vereador James Schroeder que determina mudanças no transporte de turismo em Joinville exigindo mais qualidade nos veículos e qualificação dos condutores. Foi aprovado ainda o projeto do vereador Osmari Fritz que dispõe sobre a publicidade de projetos de construção civil de obras públicas do município aos cidadãos permitindo que acompanhem seus desenvolvimentos. Foi rejeitado o pedido do vereador Adilson Mariano para constituir uma comissão especial para tratar sobre obras de dragagem em rios da bacia do rio Águas Vermelha, “entendo que a Comissão de Urbanismo tem totais condições de resolver esses problemas que seriam analisados pela comissão especial”, disse Jucélio Girardi, relator do projeto de lei. Participaram da reunião os vereadores Lauro Kalfels, Alodir Cristo, Juarez Pereira, João Rinaldi e Jucélio Girardi.{jcomments on}

Foto: Sabrina Seibel

Imprimir
PDF

Audiência pública debate zoneamento

O placar do primeiro round na disputa entre os proprietários e moradores da rua Aquidaban que querem e os que não querem a mudança de zoneamento para permitir a construção de edifícios até 12 andares e estabelecimentos comerciais apresentou uma leve vantagem para os que desejam a manutenção de zona apenas residencial sem prédios no trecho compreendido entre as ruas Otto Boehn e 15 de Novembro. Os debates ocorridos na audiência pública realizada pelas Comissões de Legislação e Justiça e Urbanismo, na noite de terça-feira, no plenário da Câmara de Vereadores foram acirrados e com fortes argumentações de ambos os lados.

Os defensores do atual status quo alegam que vão perder qualidade vida pela realidade de hoje considerando que são vários os empreendimentos previstos para serem construídos na rua, tida como sendo se moradores de classe média alta. “Se aprovado será uma rua geradora de tráfego intenso, sombreamento, alteração de ventilação, barulho e possibilidade supermercado, bares, restaurantes, boliches, boates, oficinas, etc”, protestou o advogado Oscar Hildebrand, morador da rua. Em defesa ao outro grupo de moradores, outro advogado, Álvaro Cauduro disse a solicitação de mudança de zoneamento havia sido feita com base num abaixo-assinado com mais de 20 assinaturas de moradores da Aquidaban que já não é mais pacata pelo excesso de tráfego de veículos, além de em parte dela já existirem prédios, estabelecimentos comerciais como bar, lojas de roupas, panificadora, colégio e outros. Depois de vários depoimentos contras e a favor o vereador Juscelio Girardi disse que não votaria a favor porque a via já é tradicional como ela está. A vereadora Tânia Eberhardt desculpou-se perante todos e disse que iria abster-se de votar mudança de zoneamento, decisão que irá manter até que tenha uma maior amplitude das questões de planejamento da cidade.{jcomments on}

Fotos: Sabrina Seibel

Imprimir
PDF

Políticos suíços visitam Joinville e revivem a história

Por Felipe Faria.

A líder do Partido Social Democrata da Suíça e ex-deputada federal daquele país, Ursula Hafner, e o seu marido, também ex-deputado, porém cantonal, Dieter Hafner, visitaram hoje a Câmara de Vereadores de Joinville. O casal é membro da Associação de Parceria Schaffhausen-Joinville, entidade que gere na Suíça as relações institucionais entre as duas cidades, declaradas “irmãs” em novembro 2007.

Ursula e Dieter vieram a Santa Catarina principalmente a turismo, mas também para reviver um pouco da história que liga a maior cidade do Estado ao cantão suíço. De acordo com o historiador Dilney Cunha, da Fundação Cultural de Joinville, aproximadamente 450 imigrantes deixaram Schaffhausen entre os anos de 1851 e 1856 para se tornarem alguns dos primeiros moradores joinvilenses.

Por conta disso, está em produção pela Júpiter Filmes, produtora de Curitiba, um documentário dramatizado que contará como era a vida na Suíça daquela época, como e por que houve a vinda dessas 450 pessoas para cá, como era a vida em Joinville e o que aqui encontraram e como se estabeleceram estes imigrantes nos anos subsequentes. A película está orçada em R$ 700 mil, dos quais R$ 120 mil foram patrocinados pelos governos suíço e cantonal de Schaffhausen.

Em Joinville, a Companhia Águas de Joinville, segundo Dilney Cunha, captou via Lei Rouanet de Incentivo à Cultura R$ 90 mil. A Buschle & Lepper também contribuiu, assegura o historiador, que espera que mais empresas joinvilenses se sensibilizem e contribuam financeiramente.

A expectativa é que os recursos possam ser captados até julho, para quando estão previstas as gravações em Joinville. Em Schaffhausen, elas já foram feitas em abri lde 2009. A companhia aérea Swissair, inclusive, já teria aceitado veiculá-lo nos seus voos entre Brasil e Suíça e vice-versa, adiantou Cunha.

O casal Hafner e demais integrantes da comitiva – dentre eles o cônsul honorário da Suíça em Joinville, Alberto Holderegger – foram recebidos pelo presidente da Câmara, vereador Odir Nunes, e demais vereadores, uma hora antes do início da sessão ordinária desta quarta-feira.

O casal recebeu dois livros – o que conta a história da família Vogelsanger e o que conta a história da Câmara de Vereadores de Joinville. Dieter foi à tribuna e abordou um pouco da história compartilhada pelas duas cidades e o trabalho que vem sendo realizado para que as relações sejam estreitadas ainda mais.

Ursula e Dieter estão surpresos com a grande influência alemã na cidade, principalmente na arquitetura, e com a quantidade de pessoas que falam o idioma. Eles estão em Joinville desde o dia 6 de abril e já passaram pelos principais redutos germânicos da cidade. Eles cumprem os últimos compomissos sociais nesta noite e voltam para a Europa amanhã.

Em fevereiro de 2009, o então deputado cantonal de Schaffhausen, Charles Gysel, também visitou o Poder Legislativo joinvilense com o mesmo propósito do casal Hafner. Leia mais sobre esta ocasião aqui.

Fotos de Sabrina Seibel.

Imprimir
PDF

Comissão de Saúde debate surto de botulismo

A Comissão de Saúde, Assistência e Previdência Social da Câmara de Vereadores de Joinville vai prestar apoio ao Conselho de Ética do Hospital Regional (HR) na sindicância que vai esclarecer o atendimento prestado à vítima do botulismo, Benta Janaína Lamego, que foi a óbito em 7 de março deste ano. Todo o debate ocorrido na tarde de hoje entre os convidados pela comissão, representantes da Vigilância em Saúde da Secretaria de Estado da Saúde (SES), também da secretaria Municipal e de Araquari, do HR e familiares, gravado pela comunicação do legislativo, será copiado e enviado para o conselho do hospital e também solicitará o resultado das investigações.

A decisão da comissão surgiu após o depoimento de familiares de Benta terem revelado que houve negligência médica no atendimento prestado à ela que chegou a ser internada num quarto da ala psiquiátrica por ter sido considerada “louca” por um dos médicos, entre os oito, que a atendeu no período que permaneceu no hospital entre os dias 4 e 7 de março. O infectologista Luiz Antônio, da SES, disse que há 10 anos não era registrado nenhum caso de botulismo no Estado e que, acabou a morte de Benta tornando-se motivo de uma rápida e grande mobilização em todo o país da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), SES e da empresa Seara para retirar todo o produto (mortadela) do lote contaminado evitando, dessa forma, que pudesse se transformar numa epidemia de botulismo o que poderia apresentar um saldo extremamente trágico.

Com base nos relatos da irmã de Benta, Maristela, o vereador Maurício Peixer reiterou a importância da Comissão de Saúde acompanhar a sindicância do Hospital Regional para, dependendo do resultado, se pronunciar e desta estar colaborando para evitar que outras pessoas sejam atendidas da forma como foi a vítima. Participaram da comissão os vereadores Adilson Mariano, Tânia Eberhardt, Roberto Bisoni.{jcomments on}

Foto: Sabrina Seibel

Imprimir
PDF

Quatro escolas da área rural recebem livros

Mais quatro escolas da área rural de Joinville enriqueceram o acervo de suas bibliotecas ao receberem, na manhã de hoje, exemplares do livro “Da Comuna aos Tempos Atuais: A História do Legislativo de Joinville”, das mãos do presidente da Câmara de Vereadores de Joinville, vereador Odir Nunes. Na Escola Municipal Evaldo Köhler, na Estrada Cubatão Raab, a diretora Eugênia Helena D’Avila de Borba agradeceu o parlamentar e disse que a obra será de grande valia para a os 65 alunos que estudam do 1º ao 5º ano, no Ensino de Jovens e Adultos (Ejas) e educação infantil. Ela aproveitou para convidar Odir Nunes para participar da inauguração da biblioteca da escola - no próximo dia 28 - que hoje conta com um acervo de aproximadamente 800 livros e cerca de 300 DVDs pedagógicos (ela está em funcionamento, a parte física é que foi reformada recentemente). A professora disse ainda que, um dos projetos para este ano é mudar o posicionamento da quadra poliesportiva para viabilizar a construção de um quiosque para os alunos.

Escola da Estrada Mildau

Na Escola Municipal Eugênio Klug, na Estrada Mildau, a diretora Denise Vetterlein Kricheldorf recebeu o livro “Da Comuna aos Tempos Atuais: A História do Legislativo de Joinville” do vereador Odir Nunes e agradeceu lembrando que os 268 alunos que ali estudam terão a oportunidade de conhecer a história da cidade com mais profundidade. Ela disse que um dos projetos desenvolvidos na escola é o “Projeto Comunidade na Escola”, que a cada dois meses desenvolve uma série de atividades com os moradores da localidade, pais de alunos e estudantes, nas instalações da escola para a realização de oficinas, palestras e atividades esportivas, culturais, de lazer e artísticas. Os temas do primeiro encontro deste ano será “consumo consciente” e terá a participação da Fundação de Esportes, Lazer e Eventos de Joinville (Felej), Pastoral da Saúde e Associação de Pais e Professoras (APP).

Escola do Alto Quiriri

Nesta semana,quando alunos, professores e funcionários da Escola Municipal Vereador Hubert Hübener, na Estrada Alto Quiriri, paralisarem as atividades para iniciarem o “Projeto Ler é Prazer” encontrarão um novo livro na biblioteca: “Da Comuna aos Tempos Atuais: A História do Legislativo de Joinville”. Esta atividade acontece todas as semanas na escola. A obra foi entregue para a diretora Ivete Terezinha Marasca, na manhã de hoje, pelo presidente da Câmara de Vereadores de Joinville, vereador Odir Nunes, para ser acrescentado ao acervo da biblioteca da escola. Outro projeto implantado no estabelecimento de ensino que está apresentando resultado extremamente positivo é o “Seja Amigo”, que consiste de trabalhos interativos e com palestras de temas como respeito, solidariedade, afetividade, colaboração, cidadania, ajude o próximo, bom comportamento, “enfim tudo que contribuiu para a formação de um bom cidadão e que seja contra o bullyng, que tanto preocupa os pais”, explicou a diretora.

 

Ex-alunas agora são professoras

Ao entregar o exemplar do livro “Da Comuna aos Tempos Atuais: A História do Legislativo de Joinville” para a biblioteca da Escola Municipal Professor Honório Saldo, na Estrada Quiriri, o vereador Odir Nunes surpreendeu-se ao encontrar duas ex-alunas que hoje são professoras da escola. “Foi um momento marcante e de muita satisfação”, disse ele para a diretora Adriana Grubba Nunes “pois não tenho a menor dúvida de que são excelentes profissionais na área do ensino”. Segundo a professora Daniele Goudard, coordenadora da biblioteca, a escola possui 3.800 livros de literatura pedagógica e infantil e uma praça de leitura e lazer. Para somar possui ainda o Projeto Semana Literária (em novembro) e desenvolve o Projeto Reciclagem, onde os alunos produzem utensílios como lixeiras, abajur e outros utilizando material que seria jogado no lixo.

Fotos: Sabrina Seibel

Portal da Transparência

Você pode acompanhar toda a prestação de contas da Câmara de Vereadores de Joinville por meio dos menus ao lado. Para mais informações, com base na Lei de Acesso à Informação, utilize o e-mail.

transparencia@cvj.sc.gov.br