• Sessão Especial de junho
  • Siga a CVJ nas redes sociais
  • AP
  • Sessão Solene
  • Sessão Especial de julho 
  • A gente faz
Imprimir
PDF

Câmara entrega medalha Antônia Alpaídes

Por Sidney Azevedo.

Homenageados reunidos para foto ao final da sessão solenePara refletir sobre a importância da cultura e do povo africano na formação da cultura nacional, a Câmara de Vereadores de Joinville realizou nesta sexta-feira (18), no Plenário da Câmara, a sessão solene de outorga da Medalha de Mérito Antonia Alpaídes. A medalha é destinada a pessoas ou instituições que, por meio de ações de arte, cultura e de desenvolvimento social tenham se destacado na defesa do povo negro.

A professora Angela Maria Marcos Marcelino, que representou o grupo dos homenageados na Tribuna, disse que “vivemos e convivemos dentro de uma sociedade exigente e preconceituosa, no entanto devemos romper as barreiras covardes referentes à cor da nossa pele e ter sabedoria suficiente para respeitar as possíveis diferenças”.

Angela avalia, ainda, que a Medalha de Mérito Antônia Alpaídes “representa a luta destemida do negro joinvilense pela busca constante de melhorias dias e de valorização inequívoca da etnia”.

Momentos da sessão

A mãe de um dos homenageados, o pastor Israel Macedo Costa, deslocou-se da Paraíba para acompanhar o recebimento da medalha pelo filho. O pastor Israel Macedo Costa afirmou em entrevista ao Canal Legislativo que o momento da entrega da medalha era “o mais importante da vida”.

O padre Saint-Luc Fénélus, mais conhecido como Padre Lucas, recebeu a medalha Antônia Alpaídes acompanhado de membros da Pastoral do Imigrante da paróquia Nossa Senhora de Fátima, do bairro Itaum. Durante a cerimônia de entrega, a pastoral apresentou um documento com reivindicações para a Poder Executivo.

Quem foi Antônia Alpaídes?

Antônia Alpaídes Cardoso dos Santos foi professora. Nasceu em 1904 e morreu em 1968, aos 64 anos. Atuou nas Escolas Rui Barbosa, Germano Timm, Prefeito João Colin, Conselheiro Mafra, aposentou-se e continuou a lecionar como professora particular em sua casa.

Os homenageados são indicados pelas bancadas partidárias e a entrega da medalha ocorre anualmente no dia 19 de novembro, um dia antes do Dia da Consciência Negra (20). Neste ano, porém, como o dia 19 cai em um sábado, a sessão solene ocorreu na sexta-feira.

Em 2016 foram seis homenageados, as professoras Angela Maria Marcos Marcelino, Maria Praxedes de Miranda Rodrigues e Janaina Luisa da Conceição Oliveira, o músico Paulo Sérgio Fernandes, o padre Saint-Luc Fénélus e o pastor batista Israel Macedo Costa.

CONHEÇA OS HOMENAGEADOS

Janaina Luisa da Conceição de Oliveira

Joinvilense, a educadora física Janaina Luisa da Conceição de Oliveira atuou em seis diferentes unidades escolares. Formada pela Univille, Janaina também é especialista em Ciência do Movimento Humano.

Em 1998 ela começou carreira como servidora da Fundação de Esportes, Lazer e Eventos de Joinville, a Felej. Em 2001 passou a atuar como coordenadora do departamento de Recreação e Lazer, função que exerce até hoje. Janaína organizou ainda atividades voltadas para idosos e foi membro do Conselho Municipal do Idoso.

A indicação de Janaina para receber a medalha veio do vereador Fabio Dalonso, pela bancada do PSD.

Saint Luc Fénélus (Padre Lucas)

Nascido no Haiti e vigário na paróquia Nossa Senhora de Fátima do Itaum, Saint Luc Fénélus, mais conhecido como Padre Lucas, descobriu a vocação na primeira comunhão ainda antes de completar 10 anos de idade.

Lucas foi ordenado em dezembro de 2014, após 18 anos de preparação que incluem as faculdades de Teologia e Filosofia. A principal dificuldade de Padre Lucas nesse período foi distanciar-se da família, à qual era bastante apegado. Em Joinville, o padre Lucas atua na pastoral do imigrante, braço da Igreja que acolhe imigrantes estrangeiros que passam dificuldades, dentre eles os seus conterrâneos haitianos.

A indicação de padre Lucas para receber a medalha veio do vereador Maurício Peixer, pela bancada do PR.

Maria Praxedes de Miranda Rodrigues

Maria Praxedes de Miranda Rodrigues é professora e começou a atuar na educação infantil em 1978. Em 2010, Maria passou a atuar na educação de crianças com necessidades especiais. A educadora também trabalhou na Fundema como supervisora de educação ambiental e como auxiliar de enfermagem no Hospital São José. Maria também foi conselheira fiscal do Ipreville e atualmente é professora da rede estadual de educação especial.

A indicação de Maria Praxedes para receber a medalha veio do vereador Mauricinho Soares, pela bancada do PMDB.

Israel Macedo Costa

Paraibano da cidade de Cabedelo, onde nasceu em 1963, Israel Macedo Costa se formou em Teologia em 1985 e se tornou pastor da Igreja Batista. Três anos depois, Israel veio para Santa Catarina e atuou entre cortadores de madeira na região de Mafra, fornecendo alimentos, roupas e remédios.

Seu trabalho com jovens com baixa autoestima foi enriquecido por experiências pessoais como a perda do pai e de irmãos entre os 13 e 15 anos. Atualmente, dedica-se ao aconselhamento conjugal e à terapia familiar, tendo a música como instrumento de trabalho por ser também compositor e cantor.

A indicação do pastor Israel para receber a medalha veio do vereador Levi Rioschi, pela bancada do PPS.

Angela Maria Marcos Marcelino

A professora Angela Maria Marcos Marcelino sonhava com a profissão desde menina e realizou o sonho com a conclusão do curso de Pedagogia em 1991. Ela atuou na rede estadual no cargo de orientadora educacional na Escola de Ensino Básico João Colin. Angela, pós-graduada em psicopedagogia, atua desde 2000 como professora na rede municipal na Escola Municipal Professora Anna Maria Harger.

A indicação de Angela Marcelino para receber a medalha veio do vereador James Schroeder, pela bancada do PDT.

Paulo Sérgio Fernandes

Paulo Sérgio Fernandes, natural de Criciúma, atua junto a crianças carentes por meio do ensino da música e de cursos para a manutenção de computadores. O instituto fundado por ele e que leva o nome de seu pai, Pedro Paulo Fernandes – Razão de Viver, dedica-se a afastar jovens das drogas. Casado e pai de três filhos, Paulinho, como é mais conhecido, é estudante de História e mora em Joinville há 37 anos.

A indicação de Paulinho Fernandes para receber a medalha veio do vereador Jaime Evaristo, pela bancada do PSC.

Texto: Jornalismo CVJ, por Sidney Azevedo, com informações de Jeferson Luis dos Santos / Foto: Sabrina Seibel

Portal da Transparência

Você pode acompanhar toda a prestação de contas da Câmara de Vereadores de Joinville por meio dos menus ao lado. Para mais informações, com base na Lei de Acesso à Informação, utilize o e-mail.

transparencia@cvj.sc.gov.br