• WhatsApp
Imprimir
PDF

Seminário da Água: leia a Carta de Joinville

Por DCSeRI.

Carta de Joinville

Nos dias 26 e 27 de março de 2015, reuniram-se, na Câmara de Vereadores de Joinville, vereadores, representantes dos governos municipal e estadual, de universidades e escolas, docentes e discentes, de associações de moradores, da Polícia Militar, da Companhia Águas de Joinville, da Agência Municipal de Regulação de Serviços de Água e Esgoto (AMAE), da Associação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra (Adesg) e comunidade em geral para discutir, no Seminário da Água, os desafios para evitar a escassez desse recurso vital em nosso município.
Numa logística de palestras e painéis, com ampla participação da comunidade, discorreu-se sobre os seguintes temas: “Água como fator de desenvolvimento e a importância de sua proteção”; “A proteção dos mananciais: uma questão de ordem pública”; “Águas de Joinville, projetando a cidade para 2035”; “Gestão dos recursos hídricos no município de Joinville”; “Prevenindo a escassez hídrica a partir da gestão da demanda”, que proporcionaram amplo e produtivo debate acerca dos desafios para garantir água com qualidade e quantidade suficientes para toda a população e gerações futuras.
A partir dos dados apresentados e debates ocorridos, o plenário do Seminário da Água, CONSIDERANDO:
a) A população de Joinville, hoje em torno de 550 mil habitantes, e com previsão de crescimento para 880 mil até 2038 (IBGE 2014);
b) Que Joinville é a cidade mais industrializada de Santa Catarina, e que está ampliando suas atividades econômicas a cada ano;
c) Que Joinville dispõe de uma extensa área rural com o modelo de agricultura familiar, a partir do qual a principal cultura, a de arroz irrigado, demanda grande quantidade de água para seu desenvolvimento;
d) Que a água é essencial para a manutenção dos ecossistemas;
e) Que a água é um recurso estratégico para todas as atividades, do abastecimento humano ao industrial, que requerem cada vez mais o seu uso;
ENTENDE QUE:
1) O Município tem de apoiar os Planos das Bacias dos Rios Cubatão e Cachoeira e cobrar do Governo Estadual a criação e implementação da Agência de Bacias, um instrumento da Política Nacional de Recursos Hídricos;
2) O Município tem de implementar em seu sistema de abastecimento o Programa de Redução de Perdas, para reduzir os atuais 47% a níveis sustentáveis;
3) O Município deve avaliar e estudar a possibilidade de implantar reservatórios de água bruta;
4) O Município deve utilizar em obras públicas e incentivar a população a usar equipamentos sanitários redutores de consumo de água;
5) O Município deve criar legislação que estabeleça o reuso da água como obrigação em processos produtivos;
6) O Município tem de regulamentar a legislação sobre reaproveitamento e uso de água da chuva;
7) O Município deve criar programas de agricultura sustentável com foco na redução do consumo de água;
8) O Município tem de estabelecer incentivos aos proprietários de terras em áreas de mananciais, particularmente aos agricultores familiares, por meio de pagamento por serviços ambientais;
9) O Município deve garantir a manutenção das áreas de proteção de mananciais, em particular nas leis de ordenamento territorial;
10) O Município tem de fazer um diagnóstico dos problemas sociais que afetam mananciais, tais como invasões de áreas de preservação e atividades extrativistas, e considerar uma solução sustentável para estas populações;
11) O Município deve incentivar o aproveitamento dos terrenos de forma a favorecer a permeabilidade das águas pluviais;
12) O Município tem de manter constante programa de Educação Ambiental, formal e informal, com foco no uso racional e sustentável da água;
13) O Município deve atingir e tem de manter a universalização no tratamento dos esgotos sanitários;
14) O Município deve criar instrumentos legais, como o IPTU verde, por exemplo, que incentivem o uso racional dos recursos naturais;
15) O Município deve manter constante programa de proteção dos mananciais;
16) O Município tem de ampliar e manter constante programa de fiscalização dos mananciais contra a contaminação por quaisquer origens;
17) O Estado de Santa Catarina tem de proibir o tráfego de cargas tóxicas e aumentar a segurança da Rodovia SC-418 (Estrada Serra Dona Francisca), e também formular planos de contingência para prevenir a contaminação do Rio Cubatão em eventuais acidentes.
Com estas ações, este Plenário objetiva ampliar os cuidados com a água, garantindo o recurso em quantidade e qualidade para a atual e para as futuras gerações, oportunizando aos cidadãos a realização dos seus sonhos, tal como estabelecido no Planejamento Estratégico do Município de Joinville de 2003.
 
Joinville, 27 de março de 2015.

Carta de Joinville

Portal da Transparência

Você pode acompanhar toda a prestação de contas da Câmara de Vereadores de Joinville por meio dos menus ao lado. Para mais informações, com base na Lei de Acesso à Informação, utilize o e-mail.

transparencia@cvj.sc.gov.br