• Sessão Solene
  • Sessão Especial
  • 150 anos
  • Audiência Pública
  • WhatsApp
  • República
Imprimir
PDF

Vereadores mantêm veto a mudança no Conselho Municipal de Saúde

Por Sidney Azevedo.

Câmara de Vereadores de Joinville
Foto de Sabrina Seibel

O Plenário manteve nesta terça-feira (6) o veto parcial do prefeito Udo Döhler a um trecho da nova lei do Conselho Municipal de Saúde (8.619/2018). O veto atingiu artigo que trata da homologação de resoluções propostas pelo CMS.

No entendimento do prefeito, o artigo que previa homologação direta de resoluções aprovadas pelo CMS deveria ser vetado, porque isso poderia impedir a discussão de eventuais erros legais nas resoluções.

A Consultoria Jurídica da Câmara fez parecer pela rejeição do veto parcial, por considerar que, dessa forma, o papel do Conselho ficaria fragilizado.

Isso ocorreria porque o texto, da forma como foi aprovado pelo Plenário em setembro, fazia com que o prefeito homologasse as resoluções do Conselho. O projeto inicialmente apresentado pela Prefeitura fazia com que essas resoluções, por exemplo, pudessem ou não ser reconhecidas pelo prefeito.

Na segunda-feira, a Comissão de Legislação votou paracer pela manutenção do veto do vereador Maurício Peixer (PR). A posição de Peixer foi seguida pelos vereadores Claudio Aragão (MDB), Jaime Evaristo (PSC) e Ninfo König (PSB). Houve um voto contrário, do vereador Rodrigo Coelho (PSB).

Resoluções e Conselho

Entre as finalidades dessas resoluções, por exemplo, a aprovação ou não das prestações de contas da Secretaria da Saúde, bem como a aprovação ou não de convênios firmados pela Secretaria de Saúde com instituições privadas para o serviço de saúde.

Ao Conselho cabe, ainda, a definição das diretrizes do Plano Municipal de Saúde, isto é, as metas que envolvem número de construção de postos de saúde e de implantação de equipes de saúde da família, por exemplo.

Outra atribuição do Conselho é a fiscalização do dinheiro do Fundo Municipal de Saúde, tendo que opinar quanto às movimentações de créditos adicionais suplementares, por exemplo.

A nova lei do Conselho

Em vigor desde outubro, a nova lei do CMS passou a permitir duas reconduções dos conselheiros, totalizando até seis anos consecutivos de mandato. Até então, apenas uma era permitida.

O texto mudou também a composição do conselho. Agora ela deve ser definida na Conferência Municipal de Saúde. Até a aprovação da lei essa alteração precisava de aprovação posterior do Conselho.

Adequação

O objetivo inicial da proposta, conforme a mensagem do prefeito que acompanhava a proposta, era substituir a atual lei do Conselho Municipal de Saúde (5.290/05), para adequar o Conselho e a legislação municipal à Resolução nº 453/2012, do Conselho Nacional de Saúde.

Discussão

Durante a tramitação, alguns munícipes criticaram o projeto em reuniões das comissões e na Tribuna Livre. Eles disseram ter havido pouco debate sobre o projeto ainda no âmbito do Conselho.

O ex-presidente do CMS, no entanto, negou a falta de discussão. Orlando Jacob Schneider disse ter feito seis reuniões e duas assembleias. Ele também afirmou que o aumento no tempo de permanência dos conselheiros iguala o conselho municipal aos estaduais e federal.


Notícias Relacionadas


Se você quer fazer uma sugestão, crítica ou correção sobre esta matéria, envie um e-mail para Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. ou uma mensagem no WhatsApp (47) 98873-7517.

Portal da Transparência

Você pode acompanhar toda a prestação de contas da Câmara de Vereadores de Joinville por meio dos menus ao lado. Para mais informações, com base na Lei de Acesso à Informação, utilize o e-mail.

transparencia@cvj.sc.gov.br