• Siga a CVJ nas redes sociais
Imprimir
PDF

Vereadores querem CPI sobre obras do Rio Mathias

Por Marina Bosio.

Câmara de Vereadores de Joinville
Foto Mauro Arthur Schlieck

Os vereadores das comissões de Cidadania e de Urbanismo discutiram com comerciantes da região central de Joinville, nesta quarta-feira (7), o atraso das obras de macrodrenagem do Rio Mathias. Alguns vereadores pedem a abertura de uma CPI. Até a publicação desta matéria, falta uma assinatura a abertura. A Comissão de Cidadania aprovou a convocação do secretário de Administração e Planejamento, Miguel Bertolini, para prestar esclarecimentos sobre a obra.

Segundo o presidente de Cidadania, Odir Nunes (PSDB), seis vereadores assinaram um requerimento para criação da CPI. No decorrer da reunião, ele pediu aos vereadores presentes que não assinaram o requerimento que o fizessem. De acordo com o Regimento Interno da Câmara de Joinville, o requerimento de formação de CPI deve se assinado por, no mínimo, um terço dos membros da Câmara de Vereadores, ou seja, sete vereadores.

Convocação

Nunes colocou em votação durante a reunião a convocação do secretário de Administração e Planejamento (SAP), Miguel Bertolini, para prestar esclarecimentos sobre a obra. Ele deverá comparecer à próxima reunião da comissão, no dia 21 de agosto, às 14 horas, no Plenarinho da Câmara.

O secretário fora convidado para a reunião desta quarta, mas não compareceu. Justificou em ofício que a gestão contratual é responsabilidade da Secretaria de Infraestrutura e não da SAP, e que, portanto, a presença da SAP na reunião não seria necessária.

A Seinfra também foi convidada para a reunião, e quem compareceu foi o diretor-executivo, Thalles Vieira. Na reunião, ele afirmou que “o problema está no não cumprimento do prazo, mas a obra está sendo bem executada”. De acordo com levantamento do gabinete do vereador Ninfo Konig (PSB), já se passaram 64 meses desde a assinatura do contrato. O prazo previsto para execução da obra era de 24 meses.

Empresas

Representantes da empresa que fez o projeto e da empresa que está executando a obra estavam na reunião e discordaram sobre a exequibilidade da obra. De acordo com Edu José Franco, sócio da empresa Parallela, que fez o projeto, elas custariam em torno de R$ 66 milhões.

A empresa contratada para executar a obra venceu a licitação por R$ 49 milhões, o que, segundo ele, tornaria a obra inexequível. “Como observador externo acredito que a empresa contratada não tem condições de fazer pelo preço do contrato, pois é insuficiente, se torna inexequível”, disse.

Já Márcio Luiz Martins, sócio da empreiteira Motta Júnior, contratada para a execução das obras, afirmou que o preço é 29,9% do orçado, estando, portanto, dentro da lei, segundo ele. “O preço é exequível, é um preço bom, mas consciente”, afirmou.

Reclamações

Diversos comerciantes, moradores da região central da cidade e munícipes reclamaram das obras. O munícipe Osni Piske mostrou imagens do que chamou de “bagunça” na Rua Jeronimo Coelho e na Via Gastronômica. Segundo ele, as obras são mal sinalizadas e não há segurança.

De acordo com morador e comerciante Maurício Sato, chegaram a surgir animais mortos na área das obras. O comerciante reclamou também da falta de mobilidade que as obras causam. “Nossos colaboradores não conseguem chegar ao trabalho”, disse.

A comerciante Márcia Rosa dos Santos afirmou que “a população grita socorro”. “As obras estão causando o caos no centro. Nós estamos tendo prejuízo de queda nas vendas”, relatou.

Para o morador Ademar Correia, são necessárias respostas. “Promessas nós já tivemos”. Ele citou, ainda, a proposta de CPI: “Já virou motivo de piada. São 19 vereadores e não conseguem as 7 assinatura pra abrir uma CPI?”, questionou.

Ao reproduzir nossas informações, pedimos a gentileza de citar como fonte "Divisão de Jornalismo CVJ". Acompanhe nossas notícias aqui no site e em facebook.com/cvjtv.

Notícias Relacionadas


Se você quer fazer uma correção, sugestão ou crítica, envie um e-mail para Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. ou uma mensagem no WhatsApp (47) 98873-7517.

Portal da Transparência

Você pode acompanhar toda a prestação de contas da Câmara de Vereadores de Joinville por meio dos menus ao lado. Para mais informações, com base na Lei de Acesso à Informação, utilize o e-mail.

transparencia@cvj.sc.gov.br